Nossa inteligência é uma ameaça evolucionária, e não uma vantagem. A frase acima pode ser considerada o grande mote de O Terceiro Testamento. Nele, Christopher Galt (pseudônimo do autor britânico Craig Russel) traz à tona uma interessante discussão sobre consciência (humana e artificial) nos conduzindo a uma reflexão sobre a vida, sobre a nossa existência, nossas certezas e incertezas. O livro tem um início muito bom, nos prendendo com acontecimentos curiosos como o caso da adolescente francesa que presencia, nos dias atuais, Joana D...

O Terceiro Testamento
Destaque , Ficção Científica / 16 de maio de 2017

Nossa inteligência é uma ameaça evolucionária, e não uma vantagem. A frase acima pode ser considerada o grande mote de O Terceiro Testamento. Nele, Christopher Galt (pseudônimo do autor britânico Craig Russel) traz à tona uma interessante discussão sobre consciência (humana e artificial) nos conduzindo a uma reflexão sobre a vida, sobre a nossa existência, nossas certezas e incertezas. O livro tem um início muito bom, nos prendendo com acontecimentos curiosos como o caso da adolescente france...

Guerra
Biografia / 6 de setembro de 2013

Durante quinze meses, Sebastian Junger acompanhou um pelotão de infantaria do Exército dos Estados Unidos baseado no Vale do Korengal, uma remota área do leste do Afeganistão. A intenção era ao mesmo tempo simples e ambiciosa: transmitir a experiência dos que lutam em um campo de batalha, contar como se sente quem participa de uma guerra. Acompanhado do jornalista fotográfico Tim Hetherington – morto em abril num ataque de morteiro realizado pelas tropas de Muamar Kadafi, na Líbia –, Sebastia...

A Estrada da Noite
Suspense / 6 de setembro de 2013

É oficial: voltei a ter medo do escuro. E o culpado atende pelo nome de Joe Hill. No começo ainda fiquei em dúvida mas, com o avançar dos capítulos de A Estrada da Noite, o escuro da noite com o qual me deparo ao descer as escadas da sala da minha casa passou a me gelar o sangue. Como se não bastasse, uma poltrona estrategicamente colocada ao final da escada vem me aterrorizando… Pelo menos o fantasma de Craddock nunca esteve lá repousando. A Estrada da Noite é o livro de estréia de Joe Hill,...

Adeus, China
Biografia / 18 de julho de 2012

Longa vida ao chefe Mao! Longa, longa vida! Durante a Revolução Cultural Chinesa, a frase acima foi estampada, entre outros, em posteres, fábricas, universidades e escolas. Numa dessas escolas – em Qingdao – estudava um jovem chamado Li Cunxin (para ajudar – ou não -, pronuncia-se “Lee Schwin Sing”). Li Cunxin nasceu em 1961 numa área rural perto da cidade de Qingdao. Filho de camponeses, viveu uma infância de extrema pobreza durante os anos da Revolução Cultural, mas teve a vida ...

Espíritos de Gelo
Ficção / 13 de novembro de 2011

Essa resenha começa com uma terrível confissão: eu não li nenhum livro da série Dragões de Éter (série campeã de vendas do mesmo autor de Espíritos de Gelo). Por isso mesmo, não esperem aqui um comparação entre estilos. Apesar de conhecer a obra e ouvir muito o Raphael falar sobre ela, nada substitui a leitura. Então, apesar de saber que a série e Espíritos de Gelo são obras de estilos diferentes, “ignorarei” a escrita pregressa do autor, e focarei apenas na nova obra. Ando afastado dos lança...

Sobre o Mercado Editorial

A Cauda Longa e a sua importância para o e-commerce

No meu post anterior falei sobre a Amazon, empresa que pode ser apresentada como um prelúdio à Teoria da Cauda Longa. Um prelúdio, pois é a Cauda Longa em ação, mas apenas exemplificada, sem qualquer tipo de explicação ou conceitos. Esse tipo de visão da Amazon, pensando no macro, ao invés do micro, apostando numa gama maior de produtos e contando com a capacidade do cliente em escolher o que deseja, é uma característica nascida puramente das possibilidades advindas da internet e dos recentes avanços tecnológicos. E vira de cabeça para baixo a forma de se vender todos os tipos de mídia. Revirou a indústria da música, do cinema e o mercado editorial. Foi observando esse cenário que, a partir de 2004, Chris Anderson, editor chefe da revista Wired de 2001 a 2012, começou a traduzir essas mudanças de forma a entender como a fragmentação dos mercados e as possibilidades de oferta infinita estavam revolucionando o mercado online. O Conceito por trás da teoria da Cauda Longa A teoria da Cauda Longa trata da escassez e da abundância. As economias do século XX sempre foram calcadas na prod...

Como você pode usar as lições de sucesso da Amazon

Hoje pouco se questiona a capacidade da internet de fazer dinheiro. Cada vez mais, e mais rápido, ela é capaz de criar novos milionários quase que da noite para o dia. Mas nem sempre foi assim. Em 1994, quando Jeff Bezos fundou a Amazon, a internet ainda era um caminho pouco estudado e compreendido. O modelo de vendas por catálogo Bezos trouxe para o comércio eletrônico um modelo de negócios bastante antigo, iniciado em 1886, quando um homem chamado Richard Sears comprou um caixote de relógios enviado por engano a um comerciante local que não quis ficar com a mercadoria. Sears usou a ferrovia para vender seus relógios aos agentes ferroviários ao longo dela. Dez anos depois, a Sears, Roebuck & Co. (Sears, como ficaria conhecida) lançaria o “Wish Book”, catálogo semanal enviado por entrega postal com o tamanho parecido com o de um catálogo telefônico e com, aproximadamente, 200 mil itens e variações em oferta. Foi como evolução desse modelo de vendas por catálogo que começou, no início da década de 1990, a ascensão do comércio eletrônico. O que se fez foi aproveitar um método já...

O livro digital e as perspectivas para o Mercado Editorial

As variações em torno do objeto livro não modificaram sua função, nem sua sintaxe, em mais de quinhentos anos. O livro é como a colher, o martelo, a roda ou a tesoura. Uma vez inventados, não podem ser aprimorado. Com a afirmativa acima, Umberto Eco faz uma ampla e apaixonada defesa do livro de papel em seu livro, escrito em parceria com Jean-Claude Carrière, Não contem com o fim do livro. Mas será o livro (tratemos o livro de papel apenas como “livro”) uma ferramenta tão perfeita assim, que desbanca inovações e pode se dar ao luxo de “não ser aprimorado”? Será também que o livro digital representa ameaça ao “futuro do livro”? Este trabalho não busca e, certamente, não alcançará tais respostas, mas pretende apontar novos caminhos possíveis, bem como as perspectivas para um mercado editorial chacoalhado pelas novas formas de comunicação e, principalmente, pelo advento, há alguns anos, do livro digital. Mas, antes de tudo, é preciso ressaltar que mudanças sempre ocorreram e são a base evolutiva da nossa sociedade. Apedrejar o livro digital e dar o livro como ...