A Estrada da Noite

6 de setembro de 2013, por

Resumo

Título:

A Estrada da Noite (Heart-Shaped Box)

Autor:

Joe Hill

Editora:

Sextante

Páginas:

320

Publicação:

2007

ISBN:

9788599296134

Preço:

R$ 34,90

Avaliação:

É oficial: voltei a ter medo do escuro. E o culpado atende pelo nome de Joe Hill. No começo ainda fiquei em dúvida mas, com o avançar dos capítulos de A Estrada da Noite, o escuro da noite com o qual me deparo ao descer as escadas da sala da minha casa passou a me gelar o sangue. Como se não bastasse, uma poltrona estrategicamente colocada ao final da escada vem me aterrorizando… Pelo menos o fantasma de Craddock nunca esteve lá repousando.

A Estrada da Noite é o livro de estréia de Joe Hill, e vem com a dedicatória “para o meu pai, um dos bons”. Passaria batido, se o pai em questão não fosse o mesmo que, lá em 1977, dedicou “ao pequeno Joe” um certo livro chamado O Iluminado. Só por esse livro, arrisco dizer: agora são dois mestres do gênero na mesma família.

Jude se agarrou à terra e esperou que o mundo parasse de se mover. Não que isso pudesse de fato acontecer. Era uma coisa que você descobria quando estava drogado, perdido ou febril: o mundo estava sempre girando e só uma mente saudável podia enfrentar o enjoo do rodopio.

Tudo começa quando Judas Coyne, um cinquentão, lenda do heavy metal, colecionador de estados (na verdade fãs/namoradas góticas que ele nomeia pelo estado de origem) e objetos macabros, decide comprar, em um site de leiões na web, nada menos que o paletó de um morto. O detalhe é que na verdade ele compra o fantasma do defunto, o paletó é apenas o objeto que sela a venda e dá a propriedade do fantasma de Craddock McDermott a Coyne.

A partir daí as coisas se complicam, e a figura de Craddock com seus olhos rabiscados se torna responsável pelo retorno do meu medo do escuro.

Olhou de relance para o fantasma e nesse momento o morto levantou a cabeça e suas pálpebras se abriram. Mas no lugar dos olhos só havia um rabisco preto. Como se uma criança tivesse pegado um pilot mágico, capaz de desenhar em pleno ar, e tivesse tentando desesperadamente escrever sobre eles. As linhas pretas se contorciam e se entrelaçavam uma à outra, como vermes amarrados num nó.

O fantasma impiedoso e vingativo é padrasto de uma ex-amante de Jude que se suicidou. Tentando descobrir alguma pista que o ajude a se livrar de Craddock, o roqueiro segue para o Sul atrás da mulher que lhe vendeu o paletó, a irmã da ex-namorada morta.

As aventuras são muitas. Os sustos também. Mas é um terror cheio de classe. Daquele que te faz roer as unhas só de imaginar, que traz mais do que sangue, traz um suspense amedrontador, que te faz ter medo do escuro. O sobrenatural é o pano de fundo, mas Joe Hill cria uma trama de forte envolvimento psicológico e com personagens complexos e verossímeis. Conseguiu um feito raro: em seu romance de estreia, já é considerado um novo mestre do suspense e do terror.

Você vai morrer, dizia o homem morto… Todos nós vamos passear juntos pela estrada da noite e você vai cantar lá-lá-lá…

Sabe aquele livro que você vai lendo e pensando “já sei o que vai acontecer agora”? Então, A Estrada da Noite é o completo oposto. É o tipo de livro que você imagina que sabe o que vai acontecer, mas onde tudo sempre acontece diferente. É repleto de surpresas e viradas. Teve os direitos de publicação comercializados para mais de 20 países e os direitos para cinema adquiridos pela Warner Brothers. Nem preciso dizer que O Pacto já tá na minha lista, né?

Nenhum Comentário Ainda

Deixe aqui a sua opinião!