Guerra
Biografia / 6 de setembro de 2013

Durante quinze meses, Sebastian Junger acompanhou um pelotão de infantaria do Exército dos Estados Unidos baseado no Vale do Korengal, uma remota área do leste do Afeganistão. A intenção era ao mesmo tempo simples e ambiciosa: transmitir a experiência dos que lutam em um campo de batalha, contar como se sente quem participa de uma guerra. Acompanhado do jornalista fotográfico Tim Hetherington – morto em abril num ataque de morteiro realizado pelas tropas de Muamar Kadafi, na Líbia –, Sebastian reuniu, entre 2007 e 2008, o material que deu origem ao documentário Restrepo, e ao livro Guerra. Mas apesar do conteúdo biográfico da obra, o texto é mais corrido do que se esperada para um livro do gênero. Sebastian recria diálogos a partir dos vídeos e de entrevistas realizadas, dando fluência ao texto. As cenas são recriadas, e não simplesmente contadas. O que nos faz sentir mais próximos dos acontecimentos. O grande diferencial de Guerra não reside no fato de o livro falar sobre guerra, mas sim por retratar os efeitos da guerra nos soldados, os motivos que levam jovens a se voluntariar, e – principalmente – os motivos que os fazem querer voltar. Junger recorre à biologia, à psicologia e à…

As Garotas da Fábrica
Biografia / 15 de setembro de 2010

A República Popular da China é o terceiro maior país do mundo em área; tem 1,3 bilhão de habitantes (20% da população mundial); e se tornou uma das economias que mais cresce no mundo, estando entre as dez maiores. O país tem taxas de crescimento de cerca de 9% ao ano e se tornou um gigante do comércio, conquistando o quinto lugar em exportações.* Com números tão expressivos e com os holofotes voltados para o país, era de se esperar que começássemos a criar certa curiosidade em relação ao gigante asiático. Pelo menos comigo foi assim, e posso dizer que tive duas experiências literárias fantásticas em relação à China. A primeira foi com o livro Adeus, China, do bailarino chinês Li Cunxin, e a segunda com As Garotas da Fábrica, da jornalista norte-americana Leslie T. Chang. Impossível não correlacionar esses dois livros, são complementares. É extremamente interessante notar as diferenças do olhar chinês e do olhar americano. Mas deixemos o primeiro para um próximo momento. Na resenha de hoje falarei d’As Garotas da Fábrica, já que quero reler Adeus, China antes de resenhá-lo. Comecemos pela autora: Leslie T. Chang é uma jornalista estadunidense filha de imigrantes chineses. Apesar de falar…