Cotoco

24 de agosto de 2010, por

Resumo

Título:

Cotoco (Spud)

Autor:

John van de Ruit

Editora:

Intrínseca

Páginas:

392

Publicação:

2010

ISBN:

9788598078854

Preço:

39,90

Avaliação:

Se eu fosse me basear no que tenho lido ou ouvido falar sobre o que as pessoas acham – sem ler, claro – do livro tema dessa resenha de hoje para decidir se o leria ou não, ela certamente não sairia. Mas não, pessoal, o livro não é bobo. Nada de fazer caretas e torcer o nariz. Em suas 392 páginas, Cotoco é simplesmente genial.

Na verdade, o nome do livro não é apenas Cotoco, mas Cotoco: o diário perversamente engraçado de um garoto de 13 anos. Perversamente engraçado é a palavra chave. É um humor extremamente aguçado, que te faz sorrir pela franqueza de como o fato é contado. Já me faz vislumbrar um filme com Christopher Mintz-Plasse, Michael Cera, Jonah Hill, Seth Rogen e companhia.

Sábado, 22 de janeiro (…) 20h Assisti Uma linda mulher, com a Julia Roberts, na sala comunitária. Ela é realmente perfeita. Fiquei com uma inveja danada do Richard Gere. Depois de me formar, vou sair pelas ruas procurando prostitutas feito a Julia.

John “Cotoco” Milton é um personagem extremamente cativante, e junto com seus colegas de internato conhecidos como “Os Oito Loucos” – Cotoco, Rambo, Cachorro Doido, Simon, Rain Man, Lagartixa, Barril e Esponja – participa das mais loucas e excêntricas aventuras. O grupo é tão louco quanto encantador. Só os oito já seriam promessa de boas risadas, mas os pais lunáticos de Cotoco são um caso a parte. São figuras engraçadíssimas.

Mas não só de boas risadas vive o livro. É a saga de um garoto de 13 anos descobrindo a vida, a amizade, o amor, a tragédia e, como diz na contracapa do livro, “a pluralidade da fauna humana”. (a essa altura vocês já devem imaginar porque o apelido do garoto é Cotoco)

E no meio disso tudo ainda tem a libertação de Nelson Mandela, que faz Cotoco rever seus conceitos a respeito do certo e do errado. E excelentes bate-papos literários com o excêntrico – claro! – professor de inglês, que nas últimas páginas do livro dá um conselho daqueles:

‘Você é quase um filho para mim, rapaz. Vai superar essa dor, pode ter certeza, e ainda por cima se tornará um melhor homem por causa dela.’ E com um tapinha nas minhas costas, emendou: ‘Tenha boas férias você também, e lembre: em caso de dúvida, continue lendo. Os livros nunca deixam a gente na mão.’

Mais uma vez a Intrínseca acertou na mosca.

E, para a minha alegria, descobri que o livro já tem continuação. Spud: the madness continues… e Spud: learning to fly. Tomara que saia logo, viu Intrínseca.

Atualização: a Intrínseca não deu continuidade à trilogia no Brasil; que já virou filme em dezembro de 2010, mas também não foi distribuído por aqui.

Nenhum Comentário Ainda

Deixe aqui a sua opinião!