Galera Record

Criada em 2007 para atender ao público de 12 a 20 e muitos anos — leitores ávidos por novidades que falem a sua língua e retratem temas com os quais se identifiquem —, reúne títulos que vão do romance de aventura ao mundinho da moda; da ficção científica ao primeiro amor; da magia à fofoca; da fantasia ao rock.

Trazendo literatura jovem sem fronteiras de idade ou conceitos preestabelecidos, a Galera Record é a casa de Meg Cabot, Eoin Colfer, Cecily von Ziegesar, Anthony Horowitz, Georgia Byng entre outros autores.

Perfeitos
Ficção / 31 de janeiro de 2011

Viu como o tempo passa rápido. Reclamei em maio, na minha resenha de Feios, que “o pior é ter que esperar a continuação do livro”. Pois aqui está ela. E nem doeu tanto esperar. E quem leu a minha resenha, sabe que eu me empolguei bastante com Feios. Não por ter uma trama fantástica, mas sim pelos valores incutidos nela. Scott Westerfeld levanta uma discussão muito atual e faz da série um ótimo ponto de reflexão para os jovens leitores – não só para os jovens, mas principalmente. Digo a série, pois Perfeitos segue o mesmo caminho. E este segundo livro é ainda mais “filosófico” – se é que posso dizer assim – do que o primeiro. Se em Feios a trama é permeada principalmente pela busca da beleza ideal e da degradação da natureza, em Perfeitos a massificação intelectual e a relação de divindade são temas interessantíssimos. Borbulhante é o grande termo do livro. Juro que eu ia tentar explicar aqui o significado de ser, ou estar, borbulhante, mas percebi que essa é uma das grandes sacadas do livro, e que talvez seja mais interessante a percepção que vocês terão durante a leitura. Mas apesar de tudo, – e…

Feios
Ficção / 10 de maio de 2010

Confesso que estava sentindo falta de uma ficção científica nesse estilo. Sou fã de clássicos como Admirável Mundo Novo, 1984, Eu Robô… Feios é um daqueles livros que te faz pensar em como algumas escolhas que fazemos podem chegar um dia a um nível impensado, mas possível. A resenha publicada na Livraria da Folha, classifica o livro como “um casamento entre 1984, de George Orwell, e Diário da Princesa, de Meg Cabot”. Apesar de parecer esdrúxulo, acredito que seja bem por aí mesmo. Não li nenhum livro da série O Diário da Princesa, mas a abordagem jovem dada a história torna-o um provável sucesso juvenil.Mas, de forma alguma, o livro se restringe a ser apenas mais um sucesso teen. Não que um livro erigido a sucesso teen não tenha qualidades, pelo contrário, muitos são fantásticos. Mas o pano de fundo de Feios é o que chama a atenção, e promete fazer algumas cabecinhas entrarem nos eixos. Em um mundo de perfeição, o normal é feio. Tendo como mote a surreal popularidade das cirurgias plásticas entre jovens, o autor cria um universo onde, ao completarem 16 anos, as pessoas são submetidos a uma série de cirurgias plásticas a fim de torná-las…