Quando a Luz se Apaga
Destaque , Ficção Científica / 18 de outubro de 2018

Antes de mais nada, é válido dizer que Quando a Luz se Apaga é um livro extremamente relevante nos dias de hoje, quando passamos a pensar — ou repensar — que tipo de interações virtuais queremos construir. Mostra com extrema frieza o quanto estamos dependentes da tecnologia e o quanto mais ainda podemos ficar. E, mais importante, atinge em cheio as discussões sobre privacidade nas redes sociais e seus impactos nas nossas vidas, e as ansiedades do mundo moderno causadas pela dependência extrema da tecnologia. O mundo é demasiado grande, e nós demasiado pequenos. Temos que corrigir as nossas expectativas. A história é ambientada em um futuro não muito distante, onde as pessoas podem instalar, diretamente em seus cérebros, uma tecnologia de mídia social chamada “Feed”. O Feed está acessível em todos os lugares, por todos, a qualquer momento. Ele instantaneamente nos liga a todas as informações e eventos globais à medida que eles acontecem. Toda interação, toda emoção, toda imagem pode ser compartilhada através dele, como telepatia. Como diz o próprio autor, a Torre do Feed é como “o buraco de uma agulha através do qual toda a gente passa”. Toda a acção de Quando a Luz se Apaga se dá através…

Surpreendente!
Destaque , Romance / 2 de outubro de 2018

Nada surpreendente… Explico! Acompanho a carreira de Maurício Gomyde há mais de 5 anos e, apesar de este ser o primeiro livro completo que leio do autor, sempre esperei muito da sua escrita por tudo que vi e li do e sobre o autor. Cheguei, inclusive, a negociar a publicação de um de seus livros (naquela época Dias Melhores pra Sempre ainda estava sendo escrito) nos idos da Editora Subtítulo. Dessa forma, não foi nada surpreendente que Surpreendente! tenha me agradado tanto. Assim como os livros, acredito que cada leitor seja único. Além das nossas interpretações pessoais, cada um tem suas próprias manias e preferências. Uns gostam de ler o final antes de começar o livro, outros gostam de fazer marcações (uma heresia para muitos), etc. Quando se trata de “comprar a ideia” de um livro também há um monte de preferências. Seja pela capa, pela sinopse, pela primeira frase ou, como no meu caso, pelo primeiro capítulo (ou o Prólogo — adoro prólogos. rs). É aí que um autor me ganha! Se os primeiros parágrafos do livro me fizerem sentir o clima da história eu vou fundo. Mesmo que demore a voltar a sentir a emoção inicial. Mas se não…

Conquistadores
Destaque , História / 25 de setembro de 2018

Uma obra que recupera o papel de Portugal como pioneiro do primeiro império global. — Daily Telegraph No começo deste ano, acompanhado da minha esposa, fiz minha primeira viagem a Portugal. Sonhava, mas não imaginava, que estaria a morar aqui hoje. Mas cá estou e, não por acaso, resolvi resenhar um livro adquirido nesta viagem e que fala da história das navegações portuguesas. Visitei o imponente Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, monumento símbolo do passado glorioso que o país teve na época das grandes navegações, e fiquei absolutamente encantado com a Rosa-dos-Ventos que adorna o espaço, exibindo as datas em que os portugueses chegaram a cada canto do globo. Mas confesso que, apesar de conhecer o passado navegador português, os nomes que me vem logo à cabeça quando penso nos descobrimentos são os de Pedro Álvares Cabral (certamente pelo fato de eu ser brasileiro), Cristóvão Colombo (me desculpem os portugueses, mas é um nome forte que me vem à cabeça), e Vasco da Gama, por ter sido o primeiro a chegar às Índias. E o que Roger Crowley me mostrou no seu ótimo Conquistadores – Como Portugal Criou o Primeiro Império Global é que os pormenores dessa história são riquíssimos, e que há…

O que aconteceu com o preço dos livros?
Mercado Editorial / 25 de maio de 2017

Confesso que estou assustado! Passei os últimos 4 anos afastado do mercado editorial e esse retorno tem sido um baque. Desde que encerrei as atividades da editora me vi distante de notícias do setor, lançamentos, dados de vendas e até mesmo das livrarias. Não que eu tenha deixado de visitá-las, mas a frequência diminuiu bastante, e andei mais voltado aos livros de negócios do que às obras de ficção e biográficas. A partir do momento em que decidi reativar o blog, voltei a dar atenção às notícias, passei a olhar novamente com mais calma as novidades nas prateleiras das livrarias e comparei os valores dos livros nas resenhas que eu fiz há alguns anos com os valores atuais. E a mudança foi drástica em dois quesitos: o preço dos livros parece ter dado um salto quântico e os dados de compra caíram bastante*. Ok, a economia brasileira foi pro buraco nesses últimos anos, mas esse gap que pude perceber nessa minha rápida avaliação foi uma paulada na cabeça — senão na do mercado editorial, na minha. E foi aí que comecei a me perguntar qual era a atual situação do mercado editorial. Como eu já disse aqui em cima, a economia brasileira foi uma catástrofe nos últimos anos e a inflação voltou a subir…

Daemon
Ficção / 18 de maio de 2017

Você já parou para pensar aonde a nossa tecnologia, e a rapidez com que ela avança, irá nos levar? À medida que cresce o alcance da internet e os usos da tecnologia, cada vez mais parece que não existe nada que a gente não possa fazer. Já é possível fazer praticamente tudo dentro de casa funcionar remotamente, buscar qualquer tipo de informação em um clique e contar com carros cada vez mais automatizados. Poucas são as atividades, hoje, que dispensam totalmente o uso da tecnologia moderna. Tudo está conectado e a sociedade parece estar cada vez mais dependente dessa tecnologia. E é justamente nesse ponto que Daniel Suarez ataca, trazendo todas essas ideias juntas de uma forma muito plausível. Com um vasto conhecimento tecnológico, dos usos do computador à internet e os jogos, Suarez cria em Daemon um thriller tecnológico rebuscado, com um cenário plausível sobre um agente de software capaz de criar uma nova ordem mundial. O Daemon não é só um verme da internet ou um explorador de redes. Ele não hackeia sistemas. Ele hackeia a sociedade. Daemon é daqueles livros que já começam acelerados, prende o leitor logo de cara deixando um gostinho de quero mais que torna impossível não ler as próximas páginas. E tudo…